Como usar de maneira assertiva a headline no LinkdIn

Adoro o LinkedIn e o acesso diariamente porque encontro conteúdos bem mais relevantes neste ambiente do que em qualquer outro, por isso mesmo presto bastante atenção e busco me aprofundar nos “features” da rede e, desta forma, fica impossível não notar os usos bem esdrúxulos do #headline de alguns, ou melhor, de vários perfis.

Vamos lá – ser Top Voice é um status bem disputado na rede e ao chegar lá significa que você é, em algum sentido, relevante no seu campo de atuação, o que é uma conquista excelente e muito interessante.

Dito isto, por qual motivo o perfil Top Voice se anuncia como tal? Se o perfil precisa se designar assim então qual é de fato sua relevância? Quando vejo um #headline se dizendo Top Voice eu penso na marca “Melhor Bolo de Chocolate do Mundo” – só que essa sim dá água na boca e vontade de experimentar.

Esse movimento criativo artístico de transformar o #headline em uma declaração tão inusitada que não diz nada de concreto para o mundo profissional parece-me uma estratégia discursivo publicitária de origem na década de 90.

Nesse momento as agências começaram a empregar as mais diferentes denominações para os mesmos cargos de sempre. A criatividade ficava apenas no nome, enquanto os processos continuavam sendo feitos do mesmo jeito.

Isso me lembra uma marca de sorvetes que para não aumentar os preços dos potes de 1L diminuiu a quantidade – ou seja, aumentou sim o preço.

Bom, vejamos alguns exemplos de headlines que coletei:

a) Owner / Human Resources; Account Manager / b) Ajudando as empresas a criarem relações com seus consumidores; c) Palestrante; d) Líder de Expansão; e) Engenheiro / Orientador de Carreira / YouTuber / Blogueiro; f) Autor do Best Seller; g) Bringing your Data to life; h) Inspirando Pessoas; i) Consultora e Palestrante; j) Inbound Marketing / Fazendo sua empresa vender MAIS; k) Gestão de contas / corporativo / canais / soluções; l) Ajudando as empresas e executivos a alavancarem a produtividade; m) Coach de alta performance; n) Generalista de RH.

Alguns #headlines acima até que são bem estilosos, mas muitos são incoerentes e “chovem no molhado” (nunca vi um coach de baixa performance), outros são mais uma declaração vaga do que uma indicação objetiva do que se faz, outros ainda dão vazão à interpretações dúbias e engraçadas.

Há, também, uma confusão generalizada entre atividade (palestrar, por exemplo) e profissão ou cargo, fora os que misturam profissão com atividade não vinculada a formação, o que deixa mais confuso ainda.

Outro grande problema é trabalhar o headline como promessa. Eu sempre penso: cuidado com o que você promete, porque será cobrado por isso.

7 Dicas para um headline mais interessante

1) Seja criativo, mas seja claro.

2) Seja menos motivacional e mais assertivo.

3) Defina corretamente sua área de atuação e mostre ser especialista.

4) Seja mais estratégico e menos operacional (atividade = operação).

5) Não invente a roda – afinal uma comunicação objetiva é mais poderosa que uma fantasiosa no ambiente corporativo.

6) Pense bem a leitura – a maioria dos acessos é via mobile e o headline estendido não aparece inteiro nesse formato.

7) Mantenha o foco no seu posicionamento.

O #LinkedIn é uma rede profissional e certas condutas são interessantes de se manterem, por isso acredito que seja possível ter um perfil adequado, bem assertivo e ainda criativo não sendo disperso ou confundindo estratégia com operação.

Headlines Assertivos

Seguem alguns #headlines que acredito sejam bem assertivos e coerentes com o posicionamento do profissional:

a) Analista de Negócios Sênior; b) Diretora de Marketing e Expansão de E-commerce; c) VP Talents Solutions at Linkedin; d) Analista de Comunicação Interno Pleno; e)Consultor de Expansão na Empresa X; f) Analista de Melhoria Pleno.

Os exemplos acima são objetivos, claros, informam o cargo sugerindo de maneira simples as atividades relacionadas. Não há dúvidas ou dubiedade sobre qual é a atividade profissional da pessoa.

Quando se está desempregado uma alternativa é usar o headline para indicar a função/profissão e não especificamente um cargo, ou ainda, deixar claro o campo de atuação profissional, como Engenharia de Produção.

Obviamente, headlines mais criativos podem e devem ser usados desde que façam sentido para a marca pessoal e o posicionamento que se está construindo, caso contrário poderá dar a impressão que o profissional está perdido e não sabe muito bem o que fazer ou tentando iniciar uma atividade empreendedora sem muita definição.

Espero que as reflexões e dicas tenham feito sentido para você e, como sempre, foco no seu #sucesso.

                                              Dr. Fábio Caim 

                         Personal Branding Strategist | fabiocaim@uol.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *